sábado, Abril 01, 2006

Psicopatologia - Perturbações de personalidade


Evolução histórica das Perturbações da Personalidade

A evolução histórica das teorias da personalidade passa para dois períodos principais. Num primeiro período a teoria regente era a dos humores corporais. Hipócrates, séc. IV A.C, era defensor de que os quatro humores, a bílis negra, bílis amarela, sangue e fleuma, em desequilíbrio seriam causa de todas as doenças. Identificou ainda quatro temperamentos básicos: o colérico (bílis amarela - irascibilidade), o melancólico (bílis negra - tristeza), sanguíneo (sangue - optimismo), fleuma (fleuma - apatia).
F. J. Gall construiu um modelo frenológico baseado nas variações do contorno do crânio, procurando correlações entre características da personalidade e o formato deste.
Heymans e Wiersma encontram oito tipos de carácter, amorfo, apático, nervoso, sentimental, sanguíneo, fleumático, colérico e apaixonado.
Num segundo período, Kurt Schneider defendia que as patologias da personalidade e os distúrbios mentais faziam parte de dois grupos distintos. Schneider procurava a elucidação das experiências internas dos sujeitos; por seu lado Kraeplin interessava-se sobretudo pela objectividade no estudo dos distúrbios mentais. Pritchard, 1837 com o seu tratado de insanidade mental, ou seja, de psicopatia, afirma que “A loucura consiste numa perversão mórbida dos sentimentos naturais, afectos, inclinações, temperamento, hábitos, disposição moral e impulsos naturais, sem que qualquer defeito de intelecto ou das faculdades do conhecimento e raciocínio e particularmente sem qualquer ilusão ou alucinação.
Kurt Schneider refere personalidades anormais e psicopáticas, ou seja, perturbações da personalidade e defende a existência de algumas variantes da personalidade patológica: hipertímicas, depressivas, inseguras, fanáticas, as que procuravam atenção, personalidades lábeis, vontade fraca e as asténicas. Kretcher procurou correlacionar as diferenças morfológicas com a psicose maníaco-depressiva e com a esquizofrenia. Agrupou as pessoas em quatro tipos físicos básicos: os pícnicos, os atléticos, os astémicos ou leptossómicos e os displásticos. Os seus primeiros estudos concluíram a existência de uma relação directa entre a psicose maníaco-depressiva e a constituição pícnica e entre a psicose esquizofrénica e o tipo astémico. Para o autor as perturbações psicóticas resultavam de acentuações de tipos de personalidade normal. Existiria desta forma, uma relação entre a estrutura corporal e o temperamento dos sujeitos. Kretcher propõe também a existência de quatro tipos fundamentais de relações: relação asténica (letargia depressiva, falta de energia); reacção primitiva (pessoas explosivas, delinquentes, impulsivos e imaturos); reacção expansiva (super sensibilidade, vulneráveis ao stress, irritabilidade); e tipo sensitivo (alto nível de actividade intrapsíquica e expressão emocional pobre). Para além destas reacções, Kretcher propôs a existência de alguns tipos intermédios, como o submisso e o histriónico (Rodrigues & Gonçalves, 1998).
Sheldon procurou correlacionar morfologia corporal, temperamento e psicopatologia, defendendo a existência de três dimensões básicas do seu esquema morfológico: a endormórfica (firmes e obesos), a mesomorfica (dominância de musculatura desenvolvida), a ectomorfica (fragilidade estrutural). Referia também a existência de uma tipologia temperamental na qual se incluem três componentes: a viscerotonia (gregaridade, expressão fácil de sentimentos, dependência de aprovação social), a somatotonia (assertividade, energia física, ansiedade baixa, coragem, indiferença à dor, necessidade de poder) e a cerebrotonia (contenção, autoconsciência, introversão, retirada social, solidão). Este autor propôs também três componentes primárias para a psicopatologia: a afectiva (doentes maníaco-depressivos); correlação directa entre a componente afectiva, a morfologia endomórfica e o temperamento viscotónio (alto limiar para a expressão emocional, capacidade inibitória muito enfraquecida); a componente paranóide que se correlaciona com a mesomorfia e a somatotonia (impulso antagónico, ideias delirantes de perseguição); a componente hebóide (retirada e regressão) que pode ser encontrada em indivíduos ectomorfos.
De acordo com a teoria de J. Sjorbring os temperamentos podem ser reduzidos a quatro constructos fisiológicos básicos inerentes a todas as personalidades: a capacidade (potencial genético para o desenvolvimento intelectual); a validade (grau de energia a disposição do funcionamento do sistema nervoso); a estabilidade (potencial máximo alcançável) a solidez (grau em que o potencial deve ser preenchido para manter o seu nível máximo). Sjorbring defendia que o interesse clínico centrava-se nas personalidades em que um destes factores está em desequilíbrio.
O ponto de vista psicodinâmico destaca a importância das experiências infantis precoces. A perspectiva psicanalítica centra-se no conflito intrapsíquico (todas as formas de comportamento, cognição e emoção servirão múltiplas necessidades e objectivos). Por outro lado, de um ponto de vista genético, acontecimentos precoces desenvolvem sintomas defensivos antecipatórios que persistem durante toda a vida e resultam em perturbações da personalidade.
Segundo uma conceptualização formulada por Freud “a nossa vida mental é governada por três polaridades”, sujeito (ego)-objecto (mundo externo), prazer-dor , activo-passivo, que estão relacionadas entre si de modo variado na mente.
Mais tarde, Freud procurou definir os tipos característicos de acordo com a estrutura psíquica dominante entre eles; um tipo erótico (exigências instintivas do id), outro, tipo narcísico (sujeitos dominados pelo ego), por último, um tipo compulsivo (vida regulada pela rigidez do superego). O carácter compulsivo defendido por Freud corresponde à perturbação da personalidade obsessivo-compulsiva actual.
Após 1933 apareceram com Reich, os conceitos actuais do carácter na sua formulação psicanalítica corrente. Os três principais tipos de carácter descritos por Freud, Abraham e Reich que se diferenciam a partir dos estádios psicossexuais: o carácter oral tem duas subfases: a fase da sucção e a fase oral de preensão. A primeira quando demasiado indulgente pode conduzir a um tipo oral dependente (indivíduos com optimismo imperturbável, auto-segurança ingénua). Se este período for deficitário pode ser associado a dependência excessiva, em que são muito importantes as fontes externas de gratificação. No que se refere a frustrações no estádio oral de preensão podem originar sarcasmo e hostilidade verbal, com uma grande desconfiança pessimista, tendência à petulância.
No carácter anal, a criança tem a capacidade de controlar os músculos do esfíncter anal e compreender as expectativas parentais, podendo assim adaptar atitudes em relação à autoridade que terão efeitos de longo alcance. Os carácteres anais dependem do período durante o qual a resolução conflitual se passa, período expulsivo (característico de desconfiança, megalomania, tendência ao auto-conceito extremo, ambição e assertividade) ou período de retenção (frugalidade, obstinação, ordem, predominância de parcimónia, meticulosidade e respeito das regras sociais). Estes sujeitos estão em constante conflito entre “o quero ser mau” e o “tenho que ser bom” (Fenichel, 1945).
O carácter fálico, período de desenvolvimento psicossexual, é passível de ser perturbado pela sexualidade narcísica (Reich,sd, cit. por Amorim & Gonçalves, 1998). Este carácter é vaidoso, arrogante, autoconfiante, vigoroso, frio, reservado e agressivo. É uma fase vista como o início da maturidade (socialização e a adaptação adultas) em que podem ocorrer duas patologias: carácteres histéricos (sedução, superficialidade, volatilidade, incapacidade de relacionamentos estáveis) e masoquistas (autocriticísmo, disposição conflituosa, hábito de se atormentar a si próprio e aos outros).
Jung apresenta uma tipologia baseada na distinção entre extroversão (fluxo de energia em direcção ao mundo exterior) e a introversão (bom ambiente é aquele considerado necessário à satisfação das necessidades internas). Em relação a estes dois conceitos podem existir quatro modos distintos de funcionamento psicológico: o pensamento, o sentimento, a sensação e a intuição.
Horney identificou três modos de funcionamento que provêm das inseguranças e frustrações da vida: aproximação (encontrada no tipo adaptativo), oposição
(tipo agressivo) e afastamento das pessoas (tipo independente).
E. Fromm reinterpreta a teoria de Freud num contexto social, “o carácter compulsivo é visto como resultado não de frustrações experimentadas no estádio oral, mas sim como modelo comportamental exibido por um pai rígido e meticuloso durante o treino dos esfíncteres” (Rodrigues & Gonçalves, 1998).
Fromm propõe a existência de orientações caracteriais: a orientação receptiva (necessidade profunda de suporte externo, é experienciada ansiedade quando fontes de suporte são ameaçadas; os sujeitos optimistas, receptivos e amistosos), o carácter explorador ( tirar dos outros o que os gratifica, são pessimistas, desconfiados, hostis e têm necessidade de furtar e usurpar); carácter acumulador (investimento rígido e compulsivo na ordem, dificuldade de partilha de objectos); carácter publicitário (moldam-se de acordo com as expectativas dos outros, vendem a sua imagem, são superficiais e manipuladores); e carácter produtivo (desenvolvem plenamente as suas capacidades, têm pensamento independente).
Por último, num terceiro período, Gunderson centrou os seus estudos na personalidade borderline e organizou as perturbações na DSM-IV-TR num continuum. As perturbações da personalidade incluíam-se num nível menos patológico (obsessivos-compulsivos, histriónicos, evitantes e dependentes), num nível médio (esquizóides, anti-sociais e borderline) e os mais graves nas perturbações do espectro ligadas com sintomas psicóticos (esquizotípicas, paranóide e depressivos). Por outro lado, de acordo com os cognitivistas cada pessoa reage ao mundo externo a partir da sua percepção única desse mesmo mundo. As estruturas cognitivas que se formam categorizam e organizam estes esquemas em hierarquias complexas. Os sentimentos e comportamentos disfuncionais reflectem um processo baseado em esquemas deficientes, resultantes destes erros perceptuais e interpessoais repetidos. Estes esquemas dão lugar a estratégias mal adaptadas que por sua vez tornam o indivíduo susceptível às dificuldades habituais da vida diária (a personalidade dependente e hipersensível à possibilidade de perder o amor).




Paradigma Neurobiológico

Este paradigma organiza-se em várias dimensões fundamentais. Alterações persistentes de uma ou mais destas dimensões podem contribuir para o desenvolvimento de mecanismos de defesa específicos e estratégias adaptativas.
Uma disfunção da organização perceptivo-conceptual leva a perturbação dos processos de concentração e da atenção o que se reflecte nos sinais e sintomas, discurso peculiar, pensamento mágico, alterações da percepção, desconfiança entre outras. Isto pode ser observado na esquizofrenia ou na perturbação da personalidade esquizotípica, os doentes podem viver ansiedade social tendendo a isolar-se.
Existem evidências de uma associação genética entre a esquizofrenia e a perturbação de personalidade esquizotípica. As alterações na atenção e no processamento de informação, potenciais auditivos evocados e movimentos oculares, são comuns nos doentes com perturbação da personalidade esquizotípica e esquizofrénicos.
A instabilidade afectiva pode-se definir como mudanças emocionais exageradas e rápidas, em resposta a estímulos ambientais com carga afectiva, como por exemplo críticas, separação de uma pessoa significativa ou frustração. Esta instabilidade perturba a capacidade de manter uma representação estável do self, tal como relações interpessoais; pode ainda prejudicar a aprendizagem e o desenvolvimento de outros processos cognitivos. A raiva intensa de um paciente borderline durante uma discussão com um amigo pode distorcer a memória desse acontecimento de tal modo que o paciente passa a considerar o amigo como um indivíduo completamente mau.
Constata-se uma labilidade afectiva nos parentes de primeiro grau dos doentes borderline, sugerindo uma componente hereditária nesta dimensão, embora ainda não exista um correlato biológico definitivo para esta variável.
Os distúrbios do controlo dos impulsos são caracterizados por uma capacidade diminuída para conter ou inibir a passagem ao acto, particularmente do tipo agressivo.
Se esta capacidade diminuída for crónica, é persistente a predisposição para a impulsividade e agressividade que podem resultar em comportamentos repetidos auto-destrutivos e anti-sociais.
Todas as linhas de investigação sugerem que existem anomalias biológicas que contribuem para o comportamento impulsivo-agressivo.
A ansiedade é um sinal de alerta que surge quando existem ameaças à segurança, mas também se pode tornar mal adaptativa e interferir com a produtividade e o bem-estar (timidez, sensibilidade à rejeição e uma habilidade diminuída). Do ponto de vista cognitivo, pode prejudicar a concentração e levar à distorção perceptual.

Modelo evolucionista

Theodore Millon procurou integrar diversos esquemas e constructos teóricos que nos conduzem à compreensão dos resultados provenientes das várias áreas de conhecimento científico contemporâneo. Defende que as pessoas são um sistema único organicamente integrado no domínio psicológico e procura estabelecer ligações entre os domínios biológico, psicológico e sociológico sem cair numa filosofia reducionista nem em crenças de identidade substantiva.
Este modelo procura explicar a estrutura da personalidade com referência a três modos fundamentais de adaptação ecológica e estratégia reprodutiva designados como deficitários, conflituais e desequilibrados.
A estrutura e características da personalidade normal ou patológica não são mais do que as capacidades do indivíduo funcionar psicologicamente de modo saudável ou perturbado.
A personalidade é assim, um estilo específico de funcionamento adaptativo que um organismo particular apresenta. As personalidades normais apresentam modos de adaptação específicos da espécie, eficazes dentro das variáveis ambientais esperadas, enquanto que as perturbações da personalidade são diferentes estilos de funcionamento mal-adaptativo e originam deficiências, desequilíbrios ou conflitos na relação com os estímulos ambientais.
Na espécie humana, a primeira força pode ser vista através dos actos que promovem a vida e enriquecem a existência, o que se experiencia com o prazer, enquanto que a dor manifesta-se em comportamentos que também preservam a vida na medida que repelem ou evitam os acontecimentos experimentados como dolorosos.
Os modos activo-passivo são muito eficazes na preservação da vida e adaptação ao ambiente. Esta polaridade pode ser vista como acomodação vs. modificação ou passividade vs. actividade.
Os machos na espécie humana tendem a serem orientados para o self como resultado do facto de que a competição pelos recursos reprodutivos maximiza as vantagens replicatórias dos seus genes (agir de modo egocêntrico, insensível e não comunicativo). As fêmeas são mais orientadas para o objecto, porque as suas competências na prestação de cuidados e protecção à sua prole limitada maximizam também as vantagens replicatórias dos seus genes.
Numa oposição de características de orientação macho-fêmea podemos ter por um lado poder, arrogância, competição, ambição, dominação e autonomia por parte dos machos; e por outro, amor, altruísmo, cuidar dos outros, intimidade, confiança e cooperação nas fêmeas.

Paradigma Psicanalítico

Otto Kernberg propõe uma teoria psicanalítica que abrange as perturbações da personalidade. Este tipo de abordagem permite técnicas de lidar e alterar padrões de transferências destas perturbações e obter mudanças de carácter.
Por temperamento, entende-se a disposição constitucional e geneticamente determinada para reacções a estímulos (intensidade, ritmo e tipo de resposta afectiva).
O carácter é a organização dinâmica dos padrões comportamentais do indivíduo. Kernberg tem um conceito de carácter que engloba as manifestações da identidade egóica, integração do self e dos objectos nas estruturas intra-psíquicas e também funções do ego. A personalidade é assim determinada por temperamento, carácter e superego.
Este sistema de valores é a dimensão da personalidade moral e ética. O inconsciente dinâmico-id é o sistema dominante mas também gerador de conflitos motivacionais na personalidade.
A personalidade normal é constituída por integração do self com conceito de objectos significativos. Isto é comprovado na aparência externa e visão integrada do self, que permite ao sujeito realizar os seus objectivos com empatia e investimento emocional.
Outra das características da personalidade normal é um ego que se reftecte nas disposições afectivas com capacidade de controlar os impulsos na sublimação no trabalho e nos valores e persistência e criatividade no trabalho. A identidade egóica também origina capacidade de confiar, reciprocidade e investimento nos outros. Nesta existe um superego integrado e estável sem excesso de proibições infantis, que se reflecte na responsabilidade, autocrítica, integridade, flexibilidade na tomada de decisões. Observa-se uma manipulação dos impulsos libidinais e agressivos apropriada.
É também necessário exprimir totalmente as necessidades sexuais com ternura e investimento emocional no objecto. Tudo isto deve ser compatível com a identidade egóica e com o ideal do ego do sujeito.
Existe nesta estrutura uma sublimação da agressividade para a afectividade e para o self. Nas perturbações graves da personalidade tal não acontece, uma vez que predomina a agressão patológica dirigida ao self.
Para o indivíduo se desenvolver com uma personalidade normal existem certas etapas e estruturas que se devem concretizar. Na fase simbólica tem de haver internalização da fusão da representação do self e do objecto, das representações completamente boas ou completamente más (Malher, cit. por Rodrigues & Gonçalves, 1998). Esta fusão dá origem ao id - soma das relações de objecto que se ocorreram sob estados afectivos muito intensos que foram reprimidos ou projectados por serem inaceitáveis.
Na segunda fase de desenvolvimento ocorre diferenciação entre as representações completamente boas ou completamente más do self e do objecto que leva à constituição de unidades internas - estruturas básicas do ego, este é o estado de separação – individuação de Malher (Rodrigues & Gonçalves, 1998).
No terceiro estádio as representações são integradas num conceito unificado que permite ver o self de forma realista e tolerante. Isto também se dá com representação dos outros significativos, o que vai permitir relações ambivalentes integradas.
Este modelo vê o superego como tendo várias camadas sucessivas de representação do self e do objecto. Na primeira camada, encontram-se relações de objecto completamente más e persecutórias que reflectem uma moralidade primitiva e proibitiva. A segunda é constituída por representações ideais do self e do objecto, segurança, amor e dependência. Na terceira, existe a constância do ego e do objecto que facilitam o desenvolvimento ao mesmo tempo do superego, um superego que fortaleça as relações de objecto adultas com autonomia e pouca dependência externa.
Kernberg considera que a libido e a agressão aparecem em fases precoces e são activadas nas primeiras relações com o objecto.
Estudos com borderlines verificam a existência de abuso físico e sexual na sua história de vida, que evidenciam a importância do trauma causado pela agressão no aparecimento da patologia.
Nas perturbações de organização neurótica: histérica, obsessivo-compulsiva e depressivo-masoquista, a patologia encontra-se na libido; têm traços em que domina a inibição sexual, a passagem ao acto. Não havendo problemas com superego, identidade egóica e na constância de objecto é reforçada a ideia de se tratarem de problemas da sexualidade. Por oposição no doente borderline, a interacção sexual esta impregnada de objectivos agressivos que levam a parafílias.
Freud e Abraham e a exploração psicodinâmica chegam à conclusão de que nas perturbações graves de personalidade existem condensações patológicas nos períodos oral, anal, e genital. Prevalece a relação entre conflitos orais e dependência, depressão e agressividade autodirigida, conflitos anais e personalidade obsessivo-compulsiva.
Existem três tipos de organização da personalidade, a psicótica, borderline e neurótica. Na organização psicótica há ausência de integração do self com os objectos o que se nota na difusão da identidade, uso de defesas com clivagem utilizados com intuito de autoprotecção e alterações no teste da realidade, ou seja, a diferenciação entre o intrapsíquico e os estímulos externos é perdida.
Na organização borderline estão incluídas todas as perturbações da personalidade, borderline, esquizóide, esquizotípica, paranóide, hipomaníaca, hipocondríaca, narcísica e anti-social. Caracteriza-se pela difusão da identidade, utilização de mecanismos de defesa primitivos de clivagem, apresentado contudo o teste da realidade mantido, ao contrário da organização psicótica. Apresentam deterioração superegóica, principalmente na perturbação narcísica, síndrome do narcisismo maligno e perturbação anti-social.
Todas as perturbações da organização borderline têm difusão da identidade, alterações graves das relações interpessoais, falta de objectivos, incertezas em diversas áreas e patologias da sexualidade. Apresentam muitas vezes incapacidade de ter comportamentos sexuais com ternura e intimidade, apresentando assim uma vida sexual caótica com perversidade polimorfa infantil. Nos casos mais graves há inibição por falta de activação na relação com o prestador de cuidados, isto devido à agressividade que inibe a sexualidade. Observa-se também fraqueza do ego, pouca tolerância à frustração, pouco controle dos impulsos e dificuldades de sublimação. Alguns conseguem ter adaptação social algo satisfatória com alguma intimidade egóica normal, capacidade para estabelece relações objectais profundas, tolerância à ansiedade, controlo de impulsos, sublimação com eficácia, amor sexual e intimidade, sendo contudo afectados pela culpa. Incluem-se personalidades histérica, depressivo-masoquista, obsessiva e evitante.
Costuma haver inter-relações entre as perturbações da personalidade sendo difícil por vezes delimitá-las.
A personalidade pode definir-se como a integração dinâmica de aspectos cognitivos e afectivos bem como dos aspectos fisiológicos e morfológicos do indivíduo (Pichot, cit. por Rodrigues & Gonçalves, 1998).
Pode-se falar em perturbação da personalidade quando as características da mesma são inflexíveis e inadaptadas, causando comprometimento funcional significativo e por vezes também sofrimento subjectivo. As perturbações da personalidade identificam-se não pelas suas manifestações clínicas nem pelos sintomas, mas pelos traços de personalidade da pessoa. Estas pessoas costumam ser aquelas consideradas como tendo “mau feitio” ou de “personalidades fortes”, tentam impor-se perante os outros.
As perturbações da personalidade encontram-se entre as neuroses e as psicoses porque partilham algumas características destas. Estão contudo noutro plano porque não fazem critica ao seu estado patológico, não estão fora da realidade, mas acham que não tem a doença; vêem o problema nos outros.
As estratégias que usam não resultam. A capacidade de amar e trabalhar está afectada, havendo tendência para provocar a rejeição por parte dos outros. Estes traços são aloplásticos e egossintónicos, em sintonia com o eu. Encontram-se em 5% a 10% da população, com tendência a diminuirem com a idade, mas a serem cada vez mais frequentes. Prevalecem três vezes mais em estratos sociais baixos. Encontram-se 59% com história de emprego instável, 45% desajustamento conjugal, 65% hábitos alcoólicos e 75% problemas legais.
O DSM-III divide as perturbações da personalidade da seguinte forma:
A- perturbações da personalidade paranóide, esquizóide, esquizotípica (aparência bizarra ou excêntrica);
B- perturbações da personalidade borderline, anti-social, histriónica e narcísica (aparência dramática, apelativa, e manipuladora);
C- perturbações da personalidade evitante, dependente, obsessivo-compulsivo (aparência receosa e ansiosa) .

A.
Personalidade Paranóide

Falre, 1978 descreve este tipo de personalidade com traços de desconfiança, falsidade de julgamento, orgulho e indiferença.
As personalidades paranóides caracterizam-se por hipertrofia do Eu (orgulho, certeza de ter razão, desprezo exploração dos outros, rigidez e intolerância); desconfiança (incompreensão e não estima pelos outros, atitudes megalómanas, de perseguição, de ciúme, erotomaníacas); estão sempre alerta achando que vão ser prejudicados.
Existem também dificuldades nas relações ao nível familiar, profissional que acabam por conduzir a um isolamento social. Acham que os outros estão com más intenções. Estes sujeitos acreditam sempre que os outros têm más intenções.
São indivíduos litigiantes, exagerados nas dificuldades, hipervigilantes e com ausência de culpa; tem extrema dificuldade em aceitar criticas que lhes são dirigidas e evitam relações mais íntimas. Pensam “não há amigos”, “todos me querem mal”, “todos me prejudicam”e, interpretam as situações de forma a confirmarem as suas suspeitas.
Segundo Rodrigues e Gonçalves conclui-se que pessoas com o pensamento sistematicamente autoreferente tendem a funcionar de forma paranóide.
Caracterizam-se por terem atitudes de exploração dos outros, dúvida de lealdade, reconhece significados ameaçadores em situações em que tal não é justificável, não esquece insultos ou lapsos dos outros, relutância em confiar, fácil passagem ao acto e dúvida de fidelidade do parceiro.

Personalidade esquizóide

A personalidade esquizóide é marcada pela pobreza de vida afectiva e relacional apresentando pouca capacidade para experimentar e exprimir emoções.
Na grande maioria das vezes, estes doentes preferem actividades solitárias, não tendo amigos intimas aparentando também distância e frieza. Em crianças preferem brincadeiras solitárias, quando adolescentes não namoram e mais tarde não constituem família. Apresentam alguma suspeição, reagindo mal em situações sociais.
As suas características principais são relações próximas não desejadas, actividades profissionais solitárias, quase inexistência de expressão de emoções fortes de alegria e raiva, indiferença por elogios ou críticas, inexistência de amigos mais próximos que não sejam familiares, embotamento afectivo, frieza e distância.

Personalidade esquizotípica

Esta personalidade distingue-se pela possível existência de ideias de referência, crenças e aparência bizarras e pensamento mágico. Os temas de conversa são fundamentalmente esotéricos e místicos; aparecendo por vezes um pseudo-intelectulismo, isto é, associação de palavras. O seu discurso é geralmente digressivo, vago ou abstracto, os conceitos são expressos de forma excêntrica e descontextualizada com o intuito de causar estranheza nos outros.
A personalidade esquizotípica é ainda caracterizada por aparência desleixada e comportamentos excêntricos. Estes indivíduos têm tendência ao isolamento mas não possuem ideias delirantes.
Existe alguma evidência de que indivíduos que sofram desta perturbação tenham muitas vezes familiares em 1º grau com esquizofrenia.
As principais características destes indivíduos são dificuldades de relacionamento interpessoal, ansiedade social excessiva, ideias de referência, crenças bizarras e pensamento mágico, aparência e comportamentos bizarros ou excêntricos, ausência de amigos próximos, afecto embotado ou inapropriado e suspeição ou ideação paranóide.

B.
Personalidade Anti-social

Podem existir indicadores precoces da sua existência tais como pequenos furtos, fugas de casa, absentismo escolar, mentiras patológicas, crueldade com animais, agravando-se depois com a entrada na adolescência, que se revela por, instabilidade passagens ao acto, delitos, tentativas de suicídio, entre outras.
Existem alguns factores conhecidos como possíveis predisponentes desta perturbação como é o caso da instabilidade, hiperactividade na infância, abuso sexual, ausência de figuras parentais ou de disciplina consciente. São pessoas intrusivas, instáveis e agressivas que não contém os impulsos.
Só se pode falar em diagnóstico de personalidade anti-social quando o indivíduo tem idade igual ou superior a 18 anos.
Estes sujeitos não possuem limites internos. A relação com o outro é baseada na exploração, em que o outro é um mero objecto do qual quer obter benefícios, seduzindo-o. Não tem culpabilidade, tem um superego mal integrado. Há uma maior prevalência desta perturbação no sexo masculino.
Caracterizam-se por absentismo escolar, crueldade física com pessoas e animais, lutas físicas frequentes, uso de armas em confrontos, mentiras frequentes roubos e violações. São indivíduos que têm frequentemente problemas com a justiça.
Apresentam um comportamento irresponsável e anti-social desde cedo, têm incapacidade respeitar obrigações profissionais e financeiras, fazem viagens sem objectivo claro, ausência de uma morada fixa e incapacidade para desempenhar papel parental responsável.
Personalidade borderline

Os indivíduos com esta perturbação apresentam frequentemente grande impulsividade, têm uma baixa tolerância à frustração, muita facilidade de passagem ao acto, sentimento crónico de aborrecimento e vazio e difusão de identidade (auto-imagem, orientação sexual, valores). Existe uma grande instabilidade a todos os níveis, nomeadamente nas relações interpessoais, de escolhas profissionais e identidade.
Existem fortes indicadores de uma relação entre a personalidade borderline e a depressão. Esta perturbação caracteriza-se essencialmente por crises depressivas, abuso de substâncias, episódios psicóticos breves ou ideias de suicídio. É mais frequente no sexo feminino. Têm pensamentos do tipo “quem sou eu?”, “ o que é que eu gosto?” e “o que é que eu desejo?”. São sujeitos verbalmente agressivos, sexualmente promíscuos, podendo consumir substâncias.
Entre as características principais destes doentes encontram-se instabilidade do humor, relações interpessoais intensas e instáveis, impulsividade, cólera inapropriada, ameaças de suicídio, perturbações de identidade persistentes, sentimentos crónicos de vazio e aborrecimento e esforços para evitar o abandono.
Personalidade narcísica

Este tipo de personalidade caracteriza-se por um padrão global de grandeza em fantasia ou comportamento, hipersensibilidade à avaliação dos outros, pouca empatia, auto-estima instável, reacção de vergonha humilhação como resposta a uma critica, alternam entre sentimentos de grandeza e auto-desvalorização e consideram os outros um prolongamento de si mesmos. São indivíduos que aspiram ao poder, beleza e brilho e invejam os que obtém maior sucesso. Estes indivíduos apresentam muitas vezes situações de depressão, normalmente quando atingem a maioridade e se apercebem de que não alcançarão o êxito por eles pretendido.
As características que marcam esta personalidade são um padrão de grandeza global, hipersensibilidade à avaliação dos outros, exploração nas relações interpessoais, sentimento grandioso de auto-importância, os seus problemas são únicos, têm fantasias de êxito e beleza ilimitadas e amor idela. Possuem também ausência de empatia e sentimentos de inveja. Exigem constantemente admiração e atenção e procuram elogios.
Personalidade histriónica

As principais características desta personalidade são os comportamentos sedutores de cariz sexual. Há uma procura incessante de atenção, excessiva emocionalidade e teatralidade, gritando ou fingindo doenças com intuito de atrair atenções. Estes indivíduos têm grande preocupação com a aparência física, vivem centrados em si e têm uma baixa tolerância à frustração. Vivem uma sedução erotizada que difere da personalidade narcísica. Isto não significa que tenham uma vida sexual activa, têm uma visão do mundo como divido entre homens e mulheres, ou seja, os alvos a seduzir e os adversários a afastar.
Apresentam também uma exuberância facilitadora dos contactos sociais, sendo ao mesmo tempo influenciáveis e impressionáveis.
Precisam constantemente de novos estímulos que os retirem da rotina.
Entre as suas características encontram-se emocionalidade excessiva, procura de atenção, procura de aprovação ou elogios, preocupação com aparência física, egocentrismo e discurso impressionista.

C
Personalidade evitante

É habitualmente descrita como fóbica, com comportamentos ligados à timidez, evitamento de situações sociais e relacionais que impliquem sexualidade ou agressividade. Tem uma baixa auto-estima e uma imagem de si extremamente desvalorizada.
São indivíduos hipervigilantes em situações percebidas como envolvendo algum género de perigo. É ainda caracterizada por um padrão persistente de desconforto social, medo de avaliação negativa e timidez.
É comum a sensibilidade à crítica e a sinais de desaprovação, são retraídos e não tem amigos íntimos.
Evitam situações em que antecipam qualquer tipo de embaraço ou que evidenciem a falta de capacidades; acontece o rubor facial, choro ou sinais visíveis de ansiedade.
São caracterizados por apresentarem desconforto social, timidez, hipersensibilidade à critica e desaprovação, ausência de amigos próximos, evitamento de relações interpessoais, medo de ficar embaraçado, exagero de dificuldades, riscos ou perigos potenciais.

Personalidade dependente

Os indivíduos com este tipo de personalidade apresentam um comportamento dependente, submisso e infantil possuem uma grande incapacidade para tomar decisões, passando, quando podem, essas decisões para a responsabilidade de outros. Quando estão sozinhos têm uma sensação de desconforto ou desespero e sentem medo da rejeição e abandono, fazendo o possível para que tal não aconteça.
Verifica-se habitualmente a existência de ansiedade e depressão, subvalorização das suas capacidades e uma autocrítica exagerada. São comuns a necessidade de afecto, os sentimentos de inadequação e hipersensibilidade à crítica, não sendo capaz de estabelecer relações de confiança.
Numa situação d abandono, o indivíduo com perturbação depressiva procura a submissão, o apaziguamento e procura rápida de outro objecto que o substitua.
As características principais são incapacidade para tomar decisões, concordância com os outros (mesmo quando sabem que os outros não têm razão), dificuldade em iniciar projectos próprios, desespero e desconforto quando sozinhos, sentimentos de desespero quando uma relação intima acaba, medo de abandono, hipersensibilidade à crítica.
Personalidade obsessivo-compulsiva

Nos indivíduos com esta perturbação da personalidade são comuns características como o perfeccionismo e inflexibilidade. Preocupam-se com regras e pormenores insignificantes, privilegiando o trabalho e a produtividade em detrimento do lazer e das relações pessoais. São indivíduos conscienciosos, moralistas e escrupulosos. Investem na ordem, limpeza e arrumação sendo muito exagerados. São pontuais, mas com baixa produtividade sendo muito lentos e controladores.
Há uma maior incidência desta perturbação em sociedades ocidentais pelo facto de darem muita importância a traços como a autodisciplina, controlo emocional, perseverança e atenção aos pormenores.
Como características principais encontram-se um padrão persistente de perfeccionismo e inflexibilidade, insistência despropositada para que os outros se submetam à sua maneira de fazer as coisas, expressão afectiva diminuída, ausência de generosidade.

Perturbação da personalidade não especificada

Esta categoria é utilizada quando existem traços de mais do que uma perturbação da personalidade específica ou em relação perturbações da personalidade que o clínico julgue aproximadas.

Perturbações da personalidade em investigação
Perturbação depressiva da personalidade

Sentimentos permanentes de tristeza, desânimo, abatimento, desilusão e infelicidade. Antecipam futuro negativamente e são incapazes de se divertirem. Exigentes consigo mesmos, sentem culpabilidade pelos seus defeitos e fracassos.

Perturbação negativa de personalidade

Atitudes negativistas e resistência passiva a exigências (sociais e laborais). Apresentam resistência, oposição e ressentimento de modo passivo no cumprimento de expectativas. Resistências que se expressam através de adiamentos, descuidos, esquecimentos e enganos intencionais. Inveja e ressentimento em relação aos companheiros de trabalho.